O que é actigrafia?

Saiba como ela pode ser aplicada à diversas áreas da medicina

Ao entender como a actigrafia funciona, é possível encontrar e aplicar o método em diversas áreas.

Actigrafia (ou actimetria) é o método de acompanhamento de ciclos de atividade e de repouso. Por meio dela acontece constantemente a captação, de forma não invasiva, compilação e processamento de informações para análise do ritmo de sono/vigília em períodos longos identificando fases de atividade e descanso.

De maneira prática e direta, é assim que definimos a actigrafia. No entanto, julgamos ser importante o aprofundamento sobre o assunto e vamos fazê-lo ao longo deste artigo.

Detalhando as definições, conhecendo novas tecnologias e apresentando respostas para perguntas como:

  • Como a actigrafia funciona?
  • Quais as vantagens da actigrafia?
  • Existem outras aplicações da actigrafia além da medicina do sono?
  • Como funcionam os actígrafos hoje?

O ciclo de dia e noite

É comum, à maioria dos seres vivos, a interação contínua com um período de constante mudança ambiental: o ciclo de dia e noite, decorrente da rotação da terra.

Essa relação exerceu forte influência no processo evolutivo de modo que uma série de oscilações fisiológicas e comportamentais são expressas de forma sincronizadas ao passo que a interação com tais períodos aconteciam e ainda acontecem.

As consequências da interação de ciclos de dia e noite também são observadas nos seres humanos, onde eventos fisiológicos como a queda ou elevação da frequência respiratória, liberação hormonal, termorregulação e outros apresentam oscilação em períodos de aproximadamente 24 horas e podem ser analisadas longitudinalmente, de modo que seja possível obter um panorama bastante completo sobre o que acontece em nosso corpo ao longo de um dia.
E é para o pleno entendimento deste panorama que a actigrafia se mostra tão importante

Como a actigrafia trabalha?

A actigrafia é realizada através de um actímetro, um aparelho que normalmente se parece muito com um relógio e comumente utilizado no braço não dominante do indivíduo.

O equipamento registra a movimentação por meio de pelo menos um acelerômetro, utilizado para captar movimento, Essa medição ocorre, normalmente, minuto a minuto. Actígrafos modernos possuem outros sensores, como os de temperatura e luminosidade entre outros, que podem contribuir para as análises de sono e do ritmo circadiano.

O trabalho do actígrafo é, essencialmente, a captação de informações e, a partir dos dados provenientes do uso do aparelho, é possível:

  • Detectar a existência de distúrbios de sono e ritmicidade circadiana, avaliando a qualidade do sono, estimar tempo na cama, detectar episódios de sono durante o dia, assim como estimar níveis de atividade física e estabilidade do ritmo circadiano na rotina dos indivíduos.
  • Monitorar os movimentos a partir da actigrafia para o uso em estudos na área de medicina de sono, psiquiatria, medicina do trabalho, psicologia comportamental, entre outras áreas de conhecimento em que a análise da expressão da ritmicidade circadiana tenha um papel fundamental para uma observação mais aprofundada dos distúrbios.

Ao longo dos anos e de diversas inovações tecnológicas e científicas, os actígrafos de hoje podem fornecer informações sobre parâmetros da expressão da ritmicidade circadiana e sono com dados gerados através de análises detalhadas por parâmetros pré-estabelecidos:

✓ Exposição à luz durante o dia;

✓ Expressão da ritmicidade da temperatura corporal;

✓ Eventos durante a fase do sono;

Deste modo, a actigrafia assume um papel importante no levantamento de informações que auxiliam a elaboração de diagnósticos mais robustos e assertivos.

O ritmo circadiano

*O gráfico acima representa o ciclo de um indivíduo, existem variações de caso a caso por diversos fatores.
Referências: https://images.app.goo.gl/aXL3RWJeGrtmf6ji6
https://images.app.goo.gl/vKbkSXNB7Hw4G2Ey5

Entende-se como ritmo circadiano (ou ciclos circadianos),o ciclos biológicos que tem a duração aproximada de 24 horas.

A interação das informações ambientais naturais (ciclo claro/escuro) com o sistema oscilador circadiano do indivíduo tem um papel essencial na regulação de diversos eventos fisiológicos e comportamentais do organismo.

Entre os mais comumente analisados estão:
– Digestão;
– Renovação das células;
– Síntese proteica;
– Atividade anti-inflamatória;
– Controle da temperatura;
– Estados de vigília e de sono.

É neste último que a maioria das pessoas têm conhecimento de que a expressão do ritmo se dá por volta de uma duração de 24 horas.

A partir do acompanhamento de oscilações fisiológicas e comportamentais ao longo do dia, é possível propor uma organização temporal entre diversos parâmetros, inclusive a interação com eventos ambientais.

O gráfico que abre essa seção em nosso artigo é um exemplo de como pode ser a organização
temporal interna de diversos ritmos com expressão circadiana. É possível identificar em que hora do dia, determinados estados fisiológicos se destacam e, através da análise destes estados, indicar possíveis disfunções que podem apontar problemas de saúde, de ordem física e/ou psicológica.

A vantagem da actigrafia sobre outros métodos

Muitos desses eventos, que têm como característica a identificação da expressão circadiana, só tem o acompanhamento possível utilizando protocolos de testes comportamentais específicos, de forma invasiva e dentro de um ambiente laboratorial.

A grande vantagem da actimetria é a de fornecer informação dos hábitos das pessoas no seu ambiente natural por um longo período de tempo de maneira não invasiva. Através do actígrafo, é possível extrair dados que sustentam ou não as hipóteses previamente levantadas, além de outras informações que compõem um diagnóstico mais completo.

Aplicação clínica da actigrafia

Conhecida por sua aplicação no campo da medicina do sono e cronobiologia, o uso da actigrafia pode ser aplicado em outras áreas de pesquisa, desenvolvimento e medicina, fornecendo dados para diagnósticos e tratamentos clínicos em outros campos, como mostram uma série de artigos científicos publicados em diversos países encontrados na base de dados Pubmed. A seguir, relacionamos algumas áreas da medicina que têm feito uso da actigrafia:

– Actigrafia e Cardiologia

Um artigo da New York Heart Classification descreve o uso do actígrafo em 35 idosos com insuficiência cardíaca do Tipo I ao III. Os pacientes usaram o aparelho no punho não dominante por 9 meses e através das informações coletadas, foi possível constatar falta de disposição com menos movimentos e mais alterações circadianas. Adicionalmente, os autores mencionam que a falta de disposição diária é um preditor para um maior número de internações hospitalares.

– Actigrafia e Cronobiologia

Diversos estudos da área de cronobiologia utilizam actimetros para observar a expressão da ritmicidade circadiana. Possivelmente é uma das áreas em que o uso da actigrafia seja utilizada de forma mais rotineira. Através da actigrafia, é possível detectar alterações na expressão da ritmicidade circadiana em tratamentos, monitorar o ritmo de atividade e repouso de trabalhadores de turnos, identificar distúrbios de ritmo, bem como estudos que identificam oscilações sazonais de comportamento. Em um trabalho recente, intitulado “Sleep misalignment and circadian rhythm impairment in long-haul bus drivers under a two-up operations system” (Problemas de sono e ritmicidade circadiana em motoristas de ônibus de longas viagens em dois sistemas diferentes de operação) , avaliando motoristas de ônibus com actigrafia, foi identificado que a operação que tem uma rotina de trabalho de mais alto risco afeta negativamente a expressão da ritmicidade circadiana associada com a fragmentação de sono.

– Actigrafia e Distúrbios do Sono

O estudo ”Behavioral correlates of sleep-disorder breathing in older men” (Correlatos comportamentais da respiração por distúrbios do sono em homens mais velhos), por meio de dados obtidos através da actigrafia e polissonografia, acompanhou 2849 homens acima de 65 anos com apnéia do sono não tratada. Foi observado que o tempo total de sono avaliado pelos actímetros estava associado com sonolência diurna, baixa qualidade de sono e distúrbios durante o sono.

Em outro estudo, intitulado “Comparison of sleep quality assessed by actigraphy and questionnaires to healthy subjects” (Comparação da qualidade de sono avaliada por actigrafia e questionário em sujeitos saudáveis), os autores identificaram em indivíduos saudáveis, associação de parâmetros usualmente utilizados para a análise da ritmicidade circadiana com a qualidade de sono auto-declarada.

– Actigrafia e Quadros de Dor Crônica

No estudo piloto “Objective and subjective assessment of sleep in chronic low back pain patients
compared with healthy age and gender matched controls” (Avaliação objetiva e subjetiva do sono em pacientes com dor lombar crônica em comparação com controles saudáveis de idade e sexo), foi avaliado quantitativamente e qualitativamente o sono de pessoas com dor lombar crônica, onde 15
destas possuíam sintomas e as outras 15 eram grupo de controle.
Os dados objetivos (quantitativos) foram obtidos por meio de actigrafia e os subjetivos (qualitativos) por meio de questionário. Foi observado que nos indivíduos que dor lombar crônica apresentam um sono de pior qualidade, associados com o aumento da sonolência diurna.

– Actigrafia e Medicina da Mulher

O estudo “Effect of external motion on correspondence between infant actigraphy and maternal
diary” (Efeito do movimento externo na correspondência entre actigrafia infantil e o dia a dia materno), realizado com 112 mulheres, tinha como finalidade medir de forma objetiva o impacto da fragmentação do sono e sua influência na depressão pós-parto. Através do uso da actigrafia, foi possível constatar que dormir ao menos uma hora durante o dia indicava correlação com índices menores de depressão pós-parto.

– Actigrafia e Neurologia

O actígrafo foi aplicado em pacientes nos quais se encontravam dificuldades para realização da polissonografia de noite inteira, como, por exemplo, pessoas com demência. A actigrafia também foi usada na coleta de dados do relatório “Melatonin fails to improve sleep or agitation in doubleblind randomized placebo-controlled trial of institutionalized patients with Alzheimer disease” (A melatonina não melhora o sono ou a agitação em um estudo randomizado, controlado por placebo, de pacientes institucionalizados com doença de Alzheimer), para melhorar a expressão da ritmicidade circadiana de pacientes com provável diagnóstico de Alzheimer e analisar os efeitos da melatonina em seu sono.

No entanto, a partir da análise da actigrafia, foi possível observar que não houve diferenças em parâmetros de sono e ritmo, o que talvez poderia ser afetado pela utilização de questionários.

– Actigrafia e Psiquiatria

O estudo “Anxiety symptoms and objectively measured sleep quality in older women” (Sintomas de 6 ansiedade e qualidade do sono mensurada objetivamente em mulheres mais velhas), realizado com 3040 mulheres idosas (86 anos em média), tinha por objetivo estabelecer correlação entre os padrões de sono e a ansiedade.

Na metodologia, o actígrafo foi utilizado para coletar dados sobre o tempo total de sono, eficiência do sono, latência e outros parâmetros. Foi observado um sono de baixa qualidade e uma maior fragmentação do sono em mulheres mais velhas não sendo associado com outros tipos de distúrbios comportamentais.

No artigo “Activity/rest rhythm of depressed adolescents undergoing therapy: case studies” (Ritmo de atividade e repouso em adolescentes deprimidos durante terapia: estudos de caso), adolescente com distúrbios depressivos foram acompanhados por registro de actigrafia por 13 semanas consecutivas. Foi observada uma relação entre escores altos no CDRS-R (questionário que avalia sintomas depressivos) e uma diminuição na expressão de forma estável o ritmo de atividade e repouso.

Finalizando

Combinado com outros métodos, exames e equipamentos, ou através do seu uso exclusivo, é claro que a actigrafia têm se provado de grande valia no avanço da obtenção de dados, diagnósticos e validação de hipóteses em diversos campos da medicina e ciências da saúde, tanto no campo clínico quanto científico, de forma a nortear profissionais de diferentes áreas a rescrever tratamentos mais assertivos e eficientes.

*Referências
https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/32081596/
https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/19238813/
https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/30455845/
https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/19799778/
https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/19327842/
https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/19155748/
https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/19155746/
https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/28076642/
https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/32081596/
https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/19238813/
https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/30455845/
https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/19799778/
https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/19327842/
https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/19155748/
https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/19155746/
https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/28076642/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *