Covid e Sono

COVID-19 e SONO

Para grande parte das pessoas, viver no mundo em meio da pandemia do COVID 19, apresentou uma nova realidade de vida: viver praticamente o tempo todo recluso em seus domicílios. E mudanças nos hábitos de vida, se tornaram realidade.

E há um esforço hercúleo da comunidade acadêmica e científica, não apenas em busca de tratamento e da vacina, mas também na busca de respostas e entendimento dos danos colaterais na qualidade de vida das pessoas que estão em isolamento social.

Um grupo de pesquisadores brasileiros publicaram um artigo com instruções para as pessoas não terem, ou pelo menos diminuírem os problemas de sono e de ritmicidade circadiana em tempos de pandemia.

Vale afirmar que uma das propriedades de se ter um sono de boa qualidade e duração, é o favorecimento a uma melhor resposta imune nos indivíduos, e na recuperação de energia. Ou seja, dormir bem, também tem o seu papel no combate a diversas patologias, e pode ser essencial para uma melhor recuperação em uma possível infecção viral, como a do Covid 19.

Mas uma questão tem que ser levantada: como que o isolamento social afeta o sono?

A primeira resposta é bem evidente: viver em situação de isolamento social por causa de uma pandemia gera apreensão, que pode vir a gerar em um quadro de ansiedade crônica. Pessoas ansiosas têm uma maior dificuldade para dormir, sendo observado um sono de pior qualidade e menos reparador.

O segundo desdobramento está relacionado em como que o nosso organismo ajusta os episódios de sono em decorrência das interações do indivíduo com eventos do dia a dia e ambiente.  E é neste ponto que os autores do trabalho focam as suas ponderações.

Inicialmente, é preciso entender que episódios de sono não é um processo totalmente separado do tempo que você fica acordado, há uma interação entre esses dois estados. A exposição a luz natural do dia, hábitos alimentares, prática de exercícios, interações sociais, geram informações para o organismo que regulam os episódios de sono de toda a noite.

E aí que está a grande questão. A pandemia gerou uma mudança drástica na rotina diária das pessoas, modificando negativamente a qualidade de vida. Muitos indivíduos vivem hoje ainda enclausurados em suas casas, pois ainda é uma realidade a disseminação do vírus e todas as complicações que ser infectado pode vir a gerar.

Dessa forma, as pessoas não estão mais expostas a iluminação natural como deveria, e sim estão sob uma luz artificial dentro de suas residências. O trabalho remoto faz com que a maioria das pessoas estejam expostas a uma luz artificial por várias horas do dia. Como consequência dessa diminuição da exposição a luz natural e maior incidência de estímulos luminosos artificiais, há uma confusão no sistema de temporização que regula os horários dos episódios de sono.

 A diminuição da prática de atividade física também gera consequências negativas para o sono dos indivíduos. Pessoas fisicamente ativas no geral têm um sono de melhor qualidade quando comparado com pessoas sedentárias.

Adicionalmente, as interações sociais, dadas pela rotina das pessoas ao longo do dia, seja por trabalho, encontros, estudos, entre outras coisas, também têm um papel essencial no sistema de temporização do ritmo que regula os episódios de sono.

E como deu para notar, de alguma forma, seja de forma mais ponderada ou mais grave, todos esses eventos foram afetados como consequência do isolamento social ocasionado pela Covid 19.

Os autores do artigo citaram um estudo feito com astronautas, que foram mantidos sob condição de isolamento. A maioria dos astronautas desenvolveram problemas relacionados a sono, e como consequência, uma diminuição do desempenho na execução das tarefas. As causas destes problemas estão relacionadas com a perda da rotina diária destas pessoas. Os astronautas não estavam sob nenhuma condição de rotina, seja de tarefas, atividades ou de exposição a luz ambiental.

Até o momento, tudo parece bem ruim. No entanto, os autores também propõem medidas que podem pelo menos diminuir as consequências de viver em isolamento. Para esta atual condição de vida, caso você esteja com problemas de sono, talvez seja interessante estabelecer uma rotina diária.

 O principal objetivo é tentar manter características fisiológicas e comportamentais do organismo em um certa consonância com o oscilador de ritmo interno.

De uma forma resumida, os autores sugerem algumas intervenções para promover um sono reparador durante a época de confinamento: tentar acordar em um horário regular, dormir quando estiver sonolento, estar atento aos efeitos das luzes artificiais ambientais e de dispositivos eletrônicos, ter uma duração de sono adequada, e tentar diminuir as situações de estresse, pois afetam negativamente o sono.

Saiba mais sobre os actígrafos Condor Instruments em:
https://www.condorinst.com.br/contato/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *